Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.bahiana.edu.br:8443/jspui/handle/bahiana/6033
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorMatos, Marcos Almeida-
dc.contributor.authorGomes, Maria de Lourdes de Freitas-
dc.date.accessioned2022-06-01T10:08:44Z-
dc.date.available2022-06-01T10:08:44Z-
dc.date.issued2018-07-27-
dc.identifier.urihttps://repositorio.bahiana.edu.br:8443/jspui/handle/bahiana/6033-
dc.description.abstractO envelhecimento populacional é um dos maiores desafios da saúde pública contemporânea, sobretudo nos países em desenvolvimento. A queda em pessoas idosas é considerada uma importante causa de morbimortalidade, representando preditor de incapacidade funcional. O presente estudo objetivou investigar a associação entre Atividades Instrumentais de Vida Diária (AIVDs) com risco de queda em indivíduos idosos de uma cidade de médio porte no estado da Bahia, Brasil. Trata-se de estudo transversal em um grupo com idade ≥60 anos, de ambos os sexos, cadastrados no Centro de Convivência do Idoso. Aplicou-se um questionário sobre as características sociodemográficas. Para estimar o risco de queda, foi usada a Escala de Downton. A dependência para as Atividades Instrumentais de Vida Diária foi avaliada pela escala de Lawton e Brody e, para investigar a mobilidade funcional, utilizou-se o Time Up and Go. A análise estatística foi realizada através de regressão logística multivariada para estimação das medidas de associação e seus respectivos intervalos de confiança a 95%. Nossos achados evidenciaram que a maior parte dos idosos são do sexo feminino, com média de idade de 71,8 anos, alfabetizados, sendo metade da amostra sem união conjugal estável. O relato prévio de queda foi reportado por 55,1% dos indivíduos idosos (IC95%: 46,3%-63,9%). O risco de queda foi de 60,6% enquanto a dependência para execução das AIVDs foi identificada em 67,7% dos investigados. Observou-se aumento no risco de queda associado à dependência para as AIVDs (OR: 2,82; IC95%: 1,13-7,06), após ajuste por sexo, idade, situação conjugal e mobilidade funcional. A dependência para realização de qualquer atividade instrumental associou-se a um aumento dose-resposta no risco de queda nas pessoas idosas. É importante considerar a avaliação das AIVDs como ferramenta nas práticas de atenção integral à saúde do idoso, assim como no planejamento de medidas preventivas e reabilitadoras, no sentido de diminuir o risco de queda nessa população.pt_BR
dc.language.isopt_BRpt_BR
dc.publisherEscola Bahiana de Medicina e Saúde Públicapt_BR
dc.publisher.programPrograma de Pós-graduação em Medicina e Saúde Públicapt_BR
dc.publisher.initialsEBMSPpt_BR
dc.publisher.countrybrasilpt_BR
dc.rightsacesso abertopt_BR
dc.subjectIdosopt_BR
dc.subjectAcidentes por quedapt_BR
dc.subjectIdoso débilpt_BR
dc.subjectFatores de riscopt_BR
dc.titleAtividades instrumentais de vida diária e risco de quedas em pessoas idosas participantes do centro de convivência do idoso no município de Vitória da Conquistapt_BR
dc.typetesept_BR
Appears in Collections:Teses de Doutorado



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.