Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.bahiana.edu.br:8443/jspui/handle/bahiana/240
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorSantiago, Mittermayer Barreto-
dc.contributor.refereesMatos, Marcos Antonio Almeida-
dc.contributor.refereesSá, Katia Nunes-
dc.contributor.refereesBarbosa, Clarissa Almeida Sarmento-
dc.contributor.authorLins, Carolina Freitas-
dc.date.accessioned2016-10-21T19:42:52Z-
dc.date.available2016-10-21T19:42:52Z-
dc.date.issued2016-
dc.identifier.urihttp://www7.bahiana.edu.br//jspui/handle/bahiana/240-
dc.description.abstractO diagnóstico de sinovite/ tenossinovite pode ser difícil apenas por exame físico em pacientes com lúpus eritematoso sistêmico (LES). A ultrassonografia (USG) possui utilidade na detecção de lesões anatômicas no LES, permitindo agilidade na tomada de decisões pelo reumatologista. Este estudo objetiva descrever os achados ultrassonográficos musculoesqueléticos em pacientes lúpicos, associando-os com alterações do exame físico. Um grupo de pacientes com LES, de acordo com os critérios do American College of Rheumatology (ACR), foi incluído neste estudo. Eles foram submetidos à avaliação clínica e ultrassonográfica das mãos e punhos. Os principais parâmetros clínicos estudados foram artralgia espontânea referida pelo paciente, edema e dor à palpação no exame físico; e as alterações avaliadas na USG foram sinovite, tenossinovite e erosões ósseas. Foram avaliadas 896 articulações nos 64 pacientes com LES. Pelo menos uma alteração ao exame físico foi observada em 136 articulações (15,2%). Destas, 124 (13,8%) tinham dor à palpação e 12 (1,3%) tinham edema articular. Ao menos uma alteração ecográfica foi observada em 65 de 896 articulações de pacientes com LES (7,2%): 25 articulações com sinovite (2,8%), 42 com tenossinovite (4,7%), duas com sinovite e tenossinovite simultaneamente (0,2%) e nenhuma erosão óssea. Não houve associação entre exame físico e lesão anatômica (sinovite/ tenossinovite) detectada pela ultrassonografia, excetuando-se no caso de tenossinovite com edema articular, onde houve fraca associação. Foram obtidos baixos valores de sensibilidade e preditivo positivo, com moderados/ altos valores de especificidade e preditivo negativo. A USG consegue detectar alterações musculoesqueléticas em pacientes com LES, algumas delas não identificadas clinicamente. A importância da USG reside na complementação dos achados do exame clínico, sendo capaz de mostrar alterações por ele não detectadas, além de afastar casos falso-positivos.pt_BR
dc.language.isopt_BRpt_BR
dc.publisherEscola Bahiana de Medicina e Saúde Públicapt_BR
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação Stricto sensu em Medicina e Saúde Humanapt_BR
dc.publisher.initialsEBMSPpt_BR
dc.publisher.countrybrasilpt_BR
dc.rightsacesso abertopt_BR
dc.subjectUltrassonografiapt_BR
dc.subjectexame físicopt_BR
dc.subjectlúpus eritematoso sistêmicopt_BR
dc.subjectsinovitept_BR
dc.subjectenossinovitept_BR
dc.titleAchados ultrassonográficos nas mãos e punhos de pacientes com lúpus eritematoso sistêmico e sua associação com o exame físicopt_BR
dc.typedissertaçãopt_BR
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Dissertacao Carolina Freitas Lins 08-07-2016.pdf1,3 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.